Apicultura herculandense ganha novo fôlego em busca da profissionalização

Produtores locais são incluídos em banco de dados com georreferenciamento de áreas apícolas de SP

Por Ricardo Martins 01/06/2017 - 14:24 hs

Produtores locais são incluídos em banco de dados com georreferenciamento de áreas apícolas de SP e recebem ‘empurrão’ com organização da Feira do Produtor Rural

Um grupo formado por pelo menos 10 produtores de mel de Herculândia volta a sonhar com a possibilidade de profissionalização da cultura, que já se arrasta no município há mais de uma década. Atualmente, segundo o setor, Herculândia tem uma área instalada de pelo menos 500 melgueiras ( caixas de colméias), com possibilidade de produção da ordem de 45 kg de mel por ano, cada uma.

Um dos primeiros impulsos para o reacendimento da expectativa de profissionalização do setor foi o processo de formação dos futuros participantes da Feira do Produtor Rural local, que está sendo feita pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) em parceria com a Prefeitura e a Casa da Agricultura local.

Segundo Wilson Rodrigues da Silva, um dos únicos dois produtores locais, que já envazam o mel produzido, por meio de uma cooperativa de Marília, o mais firme para essa reanimação, não apenas dos produtores de mel, está sendo dado com a reorganização dos produtores rurais ligados à feira do Senar, em uma associação.

Sala de extração

Os produtores que já dispõe de uma centrífuga para retirada do mel dos favos – doada pela Prefeitura há cerca de seis anos – enquanto se preparam para a Feira do Produtor Rural, se mobilizam em busca de apoio da Prefeitura e de outras forças políticas para conseguiram a estrutura mínima necessária para a profissionalização do setor. “O prefeito já demonstrou essa vontade de nos ajudar a estruturar. E o que nós precisamos é de uma Sala de Extração, dentro dos protocolos de qualidade exigidos para a produção em escala comercial”, comentou Wilson, presidente da Associção.

Outro precurso da apicultura herculandense, Miguel José da Silva, também aposta em dias melhores para os produtores. “Esse clima positivo trazido pela formação da Feira do Produtor Rural (e a nossa associação) animou a todos e esse é a hora. Sabemos que não é fácil, mas a maioria acredita que é possível e por isso luta, buscando apoio para melhorias na qualidade de nossa apicultura. Apicultura que tenha a qualidade que o mercado espera e os resultados que nós produtores quereos”, disse Miguel.

Geoapis

Uma das iniciativas em busca de qualidade e visibilidade do mel produzido em Herculândia é a inclusão do município no projeto “Geoapis”, uma plataforma de informações sobre Apicultura e Meio Ambiente no Estado de São Paulo, em construção, por meio da parceria da Associação Brasileira de Estudos das Abelhas (A.B.E.L.H.A.) e o Centro de Referência em Informação Ambiental (CRIA).

A diretora Executiva da A.B.E.L.H.A, Ana Assad, explica que a proposta é disponibilizar para a sociedade, conhecimentos úteis para o melhor desenvolvimento da criação de abelhas, tendo em vista a conservação de polinizadores e a convivência harmônica entre apicultura e agricultura.

“Estamos procurando integrar informações sobre associações de apicultores, municípios mapeados, plantas nativas de cada região, importantes para alimentação das abelhas e para reflorestamento de áreas, e as espécies mais criadas nas região para produção de mel”, explicou Ana em nota enviada ao Jornal Cidade Aberta (JCA).

Conforme a diretora, trata-se de um projeto “no qual a participação dos interessados é voluntária, e apicultores e associações que participam da

iniciativa têm acesso a conteúdo exclusivo, como localização de seus apiários, oferta de alimentos para as abelhas na região e informações técnicas importantes para melhorar sua produção”.

Em Herculândia, os apicultores estão sendo acompanhados pela pesquisadora Elaine Evans, do projeto GEOAPIS, que estará novamente na região esta semana para georreferenciar mais alguns apiários.

“Esse projeto, com o trabalho de georreferenciamento, certamente é uma referência que terá peso especial nessa nossa luta em favor da uma produção de mel mais forte e organizada em Herculândia e certamente uma injeção de ânimo para que as pessoas envolvidas acreditem que é possível, mas entendam que o resultado depende da participação de todos”, comentou Wilson Rodrigues.