Varejo cresce 1,8% em São Paulo, diz dirigente de Pompeia

Chikao Nishimura, da ACE de Pompeia, analisa os desempenho do varejo nos primeiros 100 dias do ano

18/04/2019 - 16:42 hs

O vice presidente da Associação Comercial e Empresarial (ACE) de Pompeia, Chikao Nishimura, considerou importante o anúncio feito pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP), no sentido de que nos 100 dias do novo governo, o comércio varejista teve um crescimento de 1,8%, sendo 0,5% nas comercializações a prazo e 3% no sistema à vista, no mesmo período do ano passado. “Isso quer dizer que o otimismo prevalece”, falou animado o dirigente pompeense, ao admitir que o comércio paulistano representa a tendência de todo o território nacional, por concentrar o maior número de lojas, comerciantes e comerciários na América Latina. “Isso deve melhorar com o passar do tempo, caso não haja nenhuma surpresa desagradável na economia ou na política em geral”, opinou o dirigente da associação comercial de Pompeia.

Para o analisa Emílio Alfieri, economista da ACSP, o varejo está acompanhando o ritmo fraco da retomada econômica, a taxa recorde de desemprego e a dificuldade do brasileiro de se comprometer com compras parceladas. “Para reverter esse quadro, o governo precisa priorizar a geração de postos de trabalho e estimular a concessão de crédito à pessoa física, seja aumentando a concorrência entre os bancos ou reduzindo o compulsório das instituições bancárias”, disse o dirigente paulistano ao fazer o alerta. "O Banco Central está atento a esse problema, mas a concretização dessas medidas depende da aprovação das reformas, notadamente a da Previdência", completou o pensamento.

O período analisado pela ACSP (de 1º de janeiro a 15 de abril de 2019) contou com um dia útil a mais frente ao mesmo período de 2018, o que ajudou um pouco os lojistas. "O melhor desempenho das vendas à vista reforça que o consumidor está fazendo compras de pequeno valor, sem se comprometer com prestações futuras. Ele está cauteloso e avesso a riscos, com a confiança baixa", argumentou o economista paulistano que faz parte da associação comercial de São Paulo. “Está todo mundo aguardando os acontecimento sobre a votação da previdência”, reforçou Chikao Nishmura que também vem acompanhando a performance política, temendo novamente surpresas que venha a afetar diretamente o comércio em geral.

Na primeira quinzena de abril de 2019 diante a igual período de 2018, o movimento de vendas do varejo da cidade de SP cresceu em média 6%. Enquanto as comercializações a prazo subiram 7,3%, o sistema à vista registrou crescimento de 4,7%. "A primeira quinzena deste ano teve um dia útil a mais, o que impactou o resultado do Balanço. Não fosse isso, o comércio teria fechado o período no vermelho", comenta o economista da ACSP, baseado nos números comparados. “O principal termômetro se a situação está melhorando ou não é o desempenho do comércio”, defende o vice presidente da ACE de Pompeia que também gosta de analisar a performance do varejo através dos números.

Já em relação à primeira quinzena de março de 2019, o varejo paulistano registrou alta de 6%, sendo 3,2% no sistema a prazo e 8,8% à vista (com um dia útil a mais). "A realização do Carnaval no início de março enfraqueceu a base de comparação, já que nessa época o movimento é tradicionalmente pequeno nas lojas", afirma Emílio Alfieri. O Balanço de Vendas é elaborado pelo Instituto de Economia Gastão Vidigal da ACSP com base em amostra da Boa Vista SCPC.