Menino de 3 anos vira 'mini chef' e ajuda a mãe a fazer bolos para vender

Segundo a mãe, filho tem hidrocefalia congênita e começou a fazer bolos por brincadeira, em Tupã (SP). Bolos de pote estão sendo vendidos na cidade e chamam a atenção de amigos e parentes.

Por Eduarda Guelfi*, G1 Bauru e Marília 19/05/2019 - 18:01 hs

O que era uma brincadeira virou paixão e até uma forma de renda para a família do pequeno Eduardo Felype Vieira de Andrade, de apenas 3 anos, morador de Tupã (SP) e portador de hidrocefalia congênita.

Depois de pedir para a mãe fazer bolo de pote e vê-la na cozinha preparando, o pequeno passou a brincar de 'mini chef'. Com a brincadeira, o menino foi aprendendo a fazer seus próprios bolos até que a mãe passou a vender para amigos e vizinhos.

Ao G1, a mãe Loana Vieira de Andrade contou que desde o ano passado o filho já demonstrava interesse pela cozinha.

"Desde muito pequeno ele gostava de comer bolo. Quando estava com 2 anos ele começou a pedir para fazer. Foi quando vi que ele gostava mesmo e dei um miniliquidificador e uma batedeira pequena. Foi a realização de um sonho quando ele abriu a embalagem e viu. Foi tanta alegria que os outros presentes não eram nada”, conta a mãe.

Segundo Loana, ela precisou deixar de trabalhar como cabeleireira para cuidar de Eduardo que, além de ter hidrocefalia, tem problemas respiratórios. Foi após fazer bolos com o filho que surgiu a ideia de vender.

“Um dia ele falou 'mamãe vamos fazer bolo de pote?'. Acho que ele queria comer, mas aí todo dia tínhamos que fazer bolo. Era tanto que eu já não sabia mais o que fazer. Então, saiu a ideia de vendermos. Todo bolo que ele faz eu acompanho e estou perto", diz a mãe.

O novo trabalho ainda está no começo e, por enquanto, a divulgação é feita na base do "boca a boca". Porém, já chama a atenção dos moradores e parentes.

"Eu tive que tirá-lo da creche e parar de trabalhar por causa das doenças. Foi um jeito de ficar com ele em casa. Aí ficamos juntos o tempo todo e fazemos bolo todo dia. Isso não é nem para poder vender, mas para poder fazer o gosto dele de ter bolo pronto e vê-lo feliz", ressalta.