Gaeco apreende mais de R$ 1,6 milhão em casa durante operação que apura desvios na Cohab

Também foram apreendidos 30 mil em dólares, euros e libras em um dos endereços em Bauru, onde foram cumpridos mandados de busca e apreensão. Notas estavam em uma mala e também em gavetas.

Por G1 17/12/2019 - 18:08 hs

A operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) deflagrada nesta terça-feira (17) para apurar desvios na Companhia de Habitação de Bauru (Cohab) apreendeu mais de R$ 1,6 milhão em um dos 14 endereços onde foram cumpridos mandados de busca e apreensão.

A maior quantidade de reais estava dentro de uma mala separadas em blocos com notas de R$ 100. Também foram encontradas notas em gavetas da casa. 

Durante a ação, também foram apreendidos 30 mil em notas de dólares, euros e libras. Segundo o Gaeco todo esse valor foi depositado em juízo.

A operação recebeu o nome de João de Barro e foi realizada pelo Ministério Público, com apoio da Polícia Federal e da Polícia Militar.

O objetivo foi apreender aparelhos celulares, computadores e documentos que possam servir de objeto de investigação para tanto foram cumpridos mandados de busca em 14 residências de representantes, sócios e construtoras da Cohab, sendo 10 em Bauru, dois em Marília, um em Arealva e um em Brasília.

A investigação começou em outubro do ano passado, quando foram analisados quatro acordos firmados pela Cohab Bauru junto a construtoras no âmbito de processos judiciais. A investigação também analisou o patrimônio das pessoas relacionadas à companhia.

Com essa operação foi possível constatar, segundo o Gaeco, posturas suspeitas e prejudiciais à Cohab, como a dação de imóvel milionário para quitar uma dívida que representa somente em torno de 10% do valor do bem, realização de acordos à revelia dos patronos contratados para a causa, pagamentos antecipados, antes mesmo da formalização de acordos, e omissão deliberada na compensação da dívida que duas dessas construtoras tinham com a Cohab.

De acordo com o Gaeco, esses prejuízos acumulados crescem em larga escala e contas estão sendo rejeitadas pelo Tribunal de Contas.

Em nota, a prefeitura de Bauru informou que "já convocou o Conselho de Administração e Fiscal da Cohab, órgão competente para qualquer deliberação a respeito da Companhia, com vistas a avaliar os fatos ocorridos".

Além disso, o Executivo informou que "após convocação do Presidente do Conselho de Administração da Cohab, solicitado pela Prefeitura, que se reunirá quarta-feira (12) para deliberar sobre as questões da empresa atinente a operação do Ministério Público, o atual presidente Edson Gasparini Junior solicitou seu afastamento da presidência para que as investigações possam ocorrer sem qualquer interferência e com total transparência a fim de apuração de todos os fatos.

O governo municipal acatou o afastamento, porém a decisão final é de competência do Conselho de Administração da Cohab.