DHS convoca integrantes para novos grupos de combate ao tabagismo em Pompeia

Interessados participaram de terapias em grupo que abordaram as experiências de ser tabagista, aliadas a dicas de como suportar as crises de abstinências do cigarro.

04/02/2020 - 12:35 hs

O Departamento de Higiene e Saúde, através do Programa Nacional de Controle do Tabagismo, irá iniciar nesta semana mais dois grupo de combate ao tabagismo. As Unidades de Saúde responsáveis são as USFs “Paulo Minami” (04/02) no Jardim José Januário, e “Elysio Prado Moreira” (06/02) no Flândria.

Já nas próximas semanas, outras duas USFs também iniciam seus grupos. Os interessados em largar o vício, podem procurar por sua Unidade de referência para se inscreverem e participar.

O objetivo é garantir a melhora na qualidade de vida dos fumantes, por meio da adoção de hábitos saudáveis, ou através do uso de medicamentos para controle de ansiedade, prescritos pelos médicos na própria unidade de saúde e fornecidos gratuitamente na farmácia municipal, mediante apresentação da receita.

Segundo Adriana Fernandes Parra, coordenadora das USFs, o programa vem auxiliar quem quer deixar de vez o vício do cigarro, seguindo o tratamento ofertado, em conjunto com o incentivo de práticas saudáveis. “Praticar exercícios físicos, ter uma alimentação balanceada, valorizar o dia a dia com a família, entre outros hábitos, tendem a melhorar a saúde e o bem-estar do participante, além de prolongar os anos de vida”, disse.

Os encontros são semanais, com terapia complementar através de profissionais da medicina, psicologia, odontologia e nutrição. De acordo com as enfermeiras Graziele Piccinelli Garcia e Fernanda Chicarelli, o tratamento será em horário alternativo, justamente para atender quem realmente tem o interesse de parar de fumar. “Lá, vamos dividir experiências, e ser o apoio para quem está decidido a parar de fumar”, frisaram.

Para a médica da USF “Minami”, Dra. Raquel Contente, todos os profissionais estarão orientando com relação aos malefícios do cigarro. “Um fumante vive dez anos a menos que um não fumante. É um dado um tanto quanto alarmante, e que acarreta em doenças graves como o Câncer de Pulmão, de Laringe, dentre outras. É importante lembrar que temos filhos e familiares em casa, e eles acabam sofrendo os efeitos ruins do cigarro por ter um fumante em casa, por isso, a importância de se prevenir para não ter uma surpresa desagradável lá na frente”, concluiu.