Posto com dispositivo suspeito para misturar água no combustível é lacrado em Marília

05/02/2020 - 11:18 hs

Ação de fiscalização identificou dispositivo instalado em bombas suspeito de injetar água na gasolina e etanol comercializados

Uma fiscalização encontrou irregularidades em bombas de combustíveis e lacrou posto na avenida Tiradentes, no bairro Fragata, na região central. A blitz foi realizada na terça-feira (4) pelo Ipem (Instituto de Pesos e Medidas), Secretária da Fazenda, Procon, Polícia Civil e Científica.

Na checagem da quantidade de combustíveis que a bomba fornece para o consumidor ficou constatado pelos fiscais do Ipem que a cada 20 litros eram deixados de abastecer 180 ml.

“A legislação permite a dispensa de uma pequena fração do combustível, mas essas bombas ultrapassam. Ficou comprovado que o consumidor está sendo prejudicado”, disse o delegado regional do Ipem, Edson de Moura.

A fiscalização também encontrou lacres rompidos nos equipamentos. “Vários pontos de selagem obrigatória estão sendo violados. Dessa forma não há como ter controle algum do combustível comercializado. Vamos interditar essas bombas e apenas após adequação feita por técnico credenciado, e nova inspeção é que poderá voltará funcionar”, afirmou.

O Procon também participou da fiscalização e encontrou inúmeras irregularidades no posto de combustível. “Tivemos muitas reclamações do consumidor sobre a qualidade do combustível. Na primeira visita, o estabelecimento não documentou a origem da gasolina. Também identificamos inúmeras infrações no Código de Defesa do Consumidor. Estou muito surpreso com isso acontecendo em nossa cidade”, disse o diretor José Guilherme de Moraes.

Durante a fiscalização em uma das bombas foi encontrado um líquido em coloração diferente. A suspeita é que um dispositivo instalado no posto de combustível injetasse água no etanol e gasolina que eram comercializados.

“Identificamos essa suspeita na adulteração do combustível. A perícia coletou material para análise e se o laudo comprovar a irregularidade vamos instalar inquérito policial”, afirmou o delegado Valdir Tramontini.

O posto fiscalizado comercializava em média gasolina R$ 0,30 e etanol R$ 0,20 menor que a concorrência. O local já havia sido alvo de averiguação há cerca de 15 dias e foi autuado pelo Procon por propaganda enganosa. 
Fonte: Jornal da Manhã Marília