Pré-candidata a prefeita Mônica de Oriente defende investimento em casas populares

Grande déficit habitacional da cidade é uma das preocupações da pré-candidata.

Por Ricardo Martins 27/08/2020 - 10:03 hs

A Pré-candidata a prefeita Mônica de Oriente tem deixado claro em suas manifestações nas redes sociais que uma das suas pautas prioritárias é habitação. Mônica defende que o Município busque atrair investimentos privados e dos Governos Federal e Estadual para que mais cidadãos realizem o sonho da casa própria.

A alta do valor do aluguel também aumenta a demanda por habitação. O preço médio do aluguel em Oriente dificilmente fica abaixo de R$ 700,00 reais. “Grande parte da renda familiar fica comprometida com os aluguéis, por isso muitas pessoas sonham em ter sua casa própria. Portanto, a administração municipal deve priorizar a busca por meios e investimentos para viabilizar a construção de casas populares”, destacou Mônica. O último projeto da CDHU aprovado para Oriente foi em 2006.

Em julho, a pré-candidata esteve no Posto de Atendimento da CDHU, em Marília, levando até o assessor da Diretoria, Fernando Itapuã, algumas queixas de moradores sobre problemas de vazamentos que estão gerando infiltrações em algumas residências. Ela também aproveitou a oportunidade para entregar um ofício em mãos para Itapuã solicitando a concessão e construção de moradias populares no município de Oriente, destinadas a famílias de baixa renda que ainda não possuem casa própria.

“Como vereadora, converso com muitas pessoas que apontam o déficit habitacional que cresceu na cidade nos últimos anos. Inúmeras dessas famílias com as quais tenho contato se enquadram nas faixas de renda mais baixas, que sofrem com o preço alto dos aluguéis e que demandam condições menos restritivas para financiamento habitacional. Queremos ajudar essas famílias a realizarem o sonho da casa própria”, pontuou.

Para Mônica, o investimento em habitação também fomenta a economia local. “Investir em habitação também gera fluxo de capital. O impacto na economia é extremamente positivo. Aumenta a geração de emprego e renda. Por isso, que defendemos o forte investimento em casas populares. Assim, é possível promover conforto e o bem-estar social que o povo orientense anseia”, concluiu Mônica.