Santa Casa de Pompeia quer economizar com energia elétrica

05/03/2021 - 11:33 hs

Com o objetivo de promover a economia mensal com a energia elétrica, e ao mesmo tempo desenvolver um novo sistema energético para o próprio hospital, a diretoria da Santa Casa de Pompeia vai apresentar um projeto para a Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL), dentro do Programa de Eficiência Energética, criado pela Lei nº 9991/00, com objetivo de promover o uso eficiente da energia elétrica em todos os setores da economia por meio de projetos que demonstrem a importância e a viabilidade econômica de melhoria da eficiência energética de equipamentos, processos e usos finais de energia. “Por sermos uma instituição que consome muita energia elétrica, penso que seja viável um projeto neste sentido”, disse o provedor do hospital pompeiano, Alair Mendes Fragoso que inscreveu a instituição no programa, no ano passado, e agora a CPFL sinalizou com intenções de desenvolver um trabalho neste sentido.

 

De acordo com o dirigente hospitalar, depois de apresentar o interesse em incluir a Santa Casa de Pompeia no programa, agora chegou a vez da própria CPFL estudar se será viável ou não. “Um projeto neste sentido será elaborado, tanto que representantes da CPFL estiveram no hospital, analisando, calculando e verificando as nossas condições”, disse Alair Mendes Fragoso, ao lembrar que a lei determina que as empresas concessionárias de distribuição devem aplicar anualmente um porcentual mínimo definido de sua Receita Operacional Líquida (ROL), na realização de projetos de Eficiência Energética. “Neste caso podemos ser beneficiados com um projeto sustentável”, acredita o provedor hospitalar.

 

Dentro do programa da estatal criado, os investimentos devem ser aplicados e gerenciados seguindo diretrizes e orientações estabelecidas pela ANEEL através dos Procedimentos do Programa de Eficiência Energética (PROPEE), que regulamenta as atividades relacionadas ao Programa de Energia Elétrica. O PROPEE define os aspectos legais e regulatórios, o formato de elaboração de projetos, procedimentos de fiscalização de projetos e os parâmetros e critérios de avaliação para reconhecimento do investimento. “Isso tudo será levantado e apresentado, e vamos torcer para que o nosso hospital se enquadre nos critérios estipulados por eles”, disse animado o dirigente que efetua uma média de pagamento mensal de energia elétrica entorno de R$ 10 mil para a CPFL. “Esse programa pode nos beneficiar em não ter mais este custo mensal”, planeja o provedor.

 

Na CPFL o Programa de Eficiência Energética é um importante programa para promoção do combate ao desperdício de energia elétrica através da substituição de equipamentos ineficientes e realização de ações educacionais para conscientização do uso consciente e seguro da energia elétrica. “Pelo que foi dito, lâmpadas serão trocadas, fiação será modernizada e existe, inclusive, a possibilidade de uma mine usina fotovoltaica própria, se for o caso para a produção própria da energia elétrica”, falou animado com a possibilidade de ter esta economia que será de grande importância para a instituição. “Diante das dificuldades que temos de recursos, essa economia seria significativa para o nosso dia a dia”, falou esperançoso.