Seja bem vindo
Pompéia,14/08/2022

  • A +
  • A -
Publicidade

Justiça de Pompeia marca nova data para o júri popular de Fabrício Arena

Ele é acusado pela morte da esposa Cristiane Pedroso Arena de 34 anos, e da filha dela, Karoline Vitória, de nove.


Justiça de Pompeia marca nova data para o júri popular de Fabrício Arena





A Justiça de Pompeia marcou nova data para o júri popular do psicólogo Fabrício Buim Arena, de 36 anos, acusado pela morte da esposa Cristiane Pedroso Arena de 34 anos, e da filha dela, Karoline Vitória, de nove.

O tribunal deve ocorrer a partir das 9h do dia 14 de junho. O caso tramita sob sigilo. Fabrício está sendo defendido pela Defensoria Pública.

O júri, que deveria ter acontecido em 28 de abril, foi adiado devido a problemas de saúde envolvendo familiar do escrevente responsável por toda a preparação para a solenidade designada. Com a impossibilidade de substituição, diante a proximidade e complexidade do caso, houve o cancelamento.

ENTENDA
A Justiça acatou a denúncia do Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP), que indiciou o psicólogo pelos crimes de duplo homicídio com as qualificadoras de motivo torpe, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima, além duplo feminicídio, dupla ocultação de cadáver e corrupção de menor.

O acusado permanece preso preventivamente na Penitenciária de Tremembé e pode recorrer da decisão.

Ainda deve ser esclarecida, durante o julgamento, a divergência entre o depoimento de Fabrício e a perícia do Instituto Médico Legal (IML). O homem afirmou que matou Karoline asfixiada, mas laudo mostra que a menina morreu devido a um traumatismo craniano, causado por uma violenta pancada na cabeça.

A adolescente de 16 anos, acusada de participação nas mortes da própria mãe e da irmã, já foi sentenciada pela Justiça a cumprir no máximo três anos de internação.

CRIME
Cristiane Arena, de 34 anos, e Karoline Vitória, de apenas nove, foram assassinadas e enterradas no quintal de uma residência no bairro Distrito Industrial, em Pompeia.

A mãe estava sob um contrapiso que havia sido feito recentemente para ocultar o corpo. Já a menina em uma cova mais profunda, próximo de uma árvore e uma piscina, sendo necessário o uso de uma escavadeira para retirar o corpo.

As duas estavam desaparecidas desde o fim do ano passado. A polícia começou a investigar o caso após receber, através do Conselho Tutelar, denúncia de suposto cárcere privado. Os policiais se dirigiram até o imóvel diversas vezes, até localizarem na residência apenas o homem e a outra enteada.

Os dois afirmaram à polícia que Cristiane havia abandonado a casa junto com Karoline para morar com outro homem. A adolescente teria confirmado a versão de abandono por parte da mãe.

Enquanto Cristiane estava desaparecida, a irmã dela usava as redes sociais para tentar encontrá-la. A mulher chegou a declarar em vídeos que não acreditava que Cristiane tivesse desaparecido. Ela também afirmou que a sobrinha de 16 anos estava se relacionando com o padrasto, o que foi confirmado após a prisão do homem.

Durantes as investigações os policiais constataram que o padrasto e a enteada tinham movimentado a conta corrente de Cristiane, inclusive sacando dinheiro da conta dela.

A descoberta gerou desconfiança da polícia, que foi até a residência e notou um novo concreto no quintal, reforçando ainda mais a hipótese de um possível crime.

A adolescente foi apreendida no dia em que os corpos foram localizados. Já Fabrício fugiu e acabou preso em Campo Grande/MS no dia 8 de fevereiro.





COMENTÁRIOS

Buscar

Alterar Local

Anuncie Aqui

Escolha abaixo onde deseja anunciar.

Efetue o Login